7 de outubro de 2006

COMENTARIO LITURGICO
DOMINGO DIA 8 DE OUTUBRO DE 2006

« Não separe o homem o que Deus uniu »

« Pode um homem repudiar a sua mulher ? »
A resposta de Jesus a esta pergunta é sem apelo :
« Não separe o homem o que Deus uniu »
Mas se a mulher comete o adultério, o marido pode separar-se dela ?
Eis uma pergunta que poderia ser embaraçosa…
Mas uma outra pergunta me vem à mente :
E se o homem comete o adultério, que deverá fazer a esposa ?
Preciso é não esquecer que não só a mulher pode cometer o adultério ; o homem também e, está provado que este o comete mesmo mais vezes do que a mulher. Portanto, seguindo este mesmo raciocínio, seria lógico dizer que a mulher tem os mesmos “direitos” que o homem, quer dizer, em caso de adultério, repudiar ou abandonar o marido, sobretudo que a ferida por ela recebida ficará para sempre viva, indelével : nunca mais desaparecerá...
Mas nós os homens — aqui é um homem que fala — consideramo-nos superiores às mulheres e dizemos beneficiar de mais liberdade do que elas... Temos ainda outro defeito muito mau : não gostamos que nos apontem os defeitos nem cocegueiem o nosso sacrossanto “ego”. E portanto, a prova está feita, desde há muito, que somos muito mais infiéis do que as mulheres, dentro do matrimónio.
Que fazer então ?
Jesus explica : « e os dois serão uma só carne ».
Ora, certo é que, se alguém tem um dedo da mão com gangrena, não vai de maneira nenhuma cortar a mão : começa por cortar o dedo gangrenado, salvaguardando assim a uniformidade da mão, mesmo com um dedo a menos.
Que a mesma coisa se faça em caso de adultério.
Bom é lembrar que aquilo que acaba de fazer a esposa, o marido poderia tê-lo feito igualmente e, que nesse caso desejaria, provavelmente que a esposa lhe perdoasse: faça pois o marido isso mesmo : perdoe à esposa o “deslize” que teve, pedindo-lhe que não volte mais a cometer esse erro. E, ame ainda mais a sua esposa, se isso é possível, porque só o amor é o “cimento” de cada casal.
Marido, pensa também nos teus filhos e pergunta a ti mesmo : “Que vai ser deles ? Vão perder a presença de uma mãe e pagar por aquilo que não fizeram, e de que não têm culpa nenhuma”.
Se assim pensares, marido (ou esposa), estareis de acordo com o que disse Jesus :
« Não separe o homem o que Deus uniu ».

Carlos Brasil

1 comentário:

caminante disse...

Ayer celebrábamos, en lo íntimo del corazón, la fiesta del dies natalis de Alexandrina. Que ella inunde nuestro corazón de amor a Jes´´us Eucaritía.
Un fortísimo abrazo.