13 de outubro de 2008

QUERES VER OS ANJOS ?

Carta a ler atentamente e a meditar frequentemente !...

Esta pergunta de Jesus à Beata Alexandrina ― que vai evidentemente aceitar a proposta ! ― vem a seguir a algumas informações tristes e a alguns pedidos urgentes; ela é como uma “recompensa” e um estímulo não só quanto ao prosseguimento da missão que lhe é pedida : reparar pelos pecados da impureza, mas também para que não receie em tudo escrever, tudo contar ao seu Paizinho espiritual.
De facto, Jesus o afirma : — “Faço isto para te obrigar a obedeceres e a escreveres e a confiares nisto”.
Desde há algum tempo que o demónio lhe dizia que nada mandasse dizer ao Padre Mariano Pinho, porque este em nada disso acreditava. Não porque se tenha deixado convencer pelo diabo, mas sobretudo porque lhe custava escrever e contar certas coisas ― sobretudo os elogios que Jesus lhe fazia de vez em quando ! ― Alexandrina procurava não escrever, mas Jesus desejava que tudo fosse comunicado, que o Paizinho espiritual da sua querida esposa estivesse sempre informado de tudo quanto se passava na alma dela, de maneira a poder dirigi-la convenientemente.
Esta vontade de Jesus de que tudo fosse comunicado, tinha também um outro fim : instruir, demonstrar de que maneira Ele se comunica às almas. Diversas vezes Jesus dirá que o caso da Alexandrina devia ser estudado, muito bem estudado ; disse-lhe também diversas vezes que ela era mestra em ciências divinas.
Passados anos desde que nasceu para o Céu, damo-nos conta, uns após outros, que o caso da Alexandrina é na verdade um “caso muito sério” e que o estudo dos seus escritos espirituais são da maior utilidade para uma maior compreensão da acção divina nas almas.
Nesta carta que vamos ler, Jesus fala uma vez mais do pecado da impureza e dos trágicos resultados para as almas que se deixam por ele surpreender ou que nele encontram motivo para mais e mais ofenderem o Senhor.
Carta a ler atentamente e a meditar frequentemente !...

* * * * *

« Balasar, 6 de Junho de 1935
Viva Jesus !
Meu P.
Estou deveras admirada com o silêncio de Vossa Reverência. Por acaso ter-lhe-ia dado causa para assim proceder ? Estou sossegada na minha consciência ; se em alguma coisa o ofendi foi por ignorância, por isso maior deve ser o perdão.
Eu continuo muito doentinha ; mas tenho tido a consolação de receber Nosso Senhor todos os dias. Isto só por um milagre do Céu, pois o Senhor Abade nunca me fez tal. Algumas vezes recebo o meu Jesus e fico muito desconsolada. Bendito Ele seja ! Tudo é permitido por Ele, seja em tudo feita a Sua Santíssima Vontade.
No dia dois, depois das nove horas da noite, estava eu a fazer a oferta de tudo o que se passasse em mim durante a noite como actos de amor a Nosso Senhor Sacramentado. Fazia-o mais com o pensamento do que com os lábios porque não podia. Eu disse ao meu Jesus se fosse da Vossa Vontade eu ficar convosco nos vossos sacrários durante esta noite ! Sim antes queria fazer companhia a Nosso Senhor do que dormir. E dizia também :
― Vinde meu bom Jesus e vivei em mim como eu desejo viver convosco ; operai em mim tantas graças como se eu vos recebesse sacramentalmente.
Principiei a sentir a presença de Nosso Senhor em mim e logo ouvi que me chamava :
— Filha, filha, ó minha querida filha anda passar a noite comigo nos meus sacrários : anda consolar o teu Jesus. Anda com a tua reparação curar as minhas chagas que estão tão vivas ! Fui hoje tão ofendido ! Caíram tantas almas no inferno ! Cortei-lhe o fio da vida antes do tempo marcado por não as poder sofrer mais.
Eu ofereci a Nosso Senhor todo o meu corpo para Ele crucificar pelo seu divino amor para a salvação das almas; e dava-lho de tão boa vontade como Ele se deixou crucificar por meu amor. E dizia-me Nosso Senhor :
— Como me consolas ! É o bálsamo com que curas as minhas chagas. Atenção, minha filha, para mandares dizer ao teu pai espiritual. Esta noite vão cair no inferno mil almas e o pecado que me leva a condená-las é o pecado da impureza, a maldita carne. Já lá estão a cair fartas de me ofenderem e Eu abundado de as suportar. São de todas as classes : jovens e donzelas, casados e viúvos, velhos e novos. Que horror ! Como Eu sou ofendido ! Estão mais para lá cair ; se me dás o teu corpo para sofrer por eles ainda lhes acudirás. Pede-me por elas, dá-mas são minhas. Custaram-me o meu sangue. Eu não exijo de ti a noite inteira porque não podes. Mas só no Céu verás como lhes acudistes nestas horas. Eu preciso de destruir o mundo, poucas famílias deixar, mas não o faço, enquanto tiver almas que como tu sustentem o braço da minha justiça.
Parecia-me que era tão beijada e abraçada ! E dizia-me Nosso Senhor :
— Amo-te tanto, minha filha ! Amo-te tanto ! Tenho mais cuidado pela tua alma do que um da terra teria se possuísse todos os tesouros do mundo. Ama muito a minha Mãe Santíssima que Ela também te ama muito. Como me consolas quando me pedes o aumento do amor dela e da Santíssima Trindade.
No dia três, no fim da Sagrada Comunhão, falava-me Nosso Senhor :
— Minha filha, lá caíram no inferno as almas. Como Eu fui ofendido ! Como me renovaram a minha paixão ! Muitas também que mereciam lá estar, mas poupei-as pela tu reparação. Não posso exigir mais de ti, dando-me o teu corpo e dizendo tudo ao pai espiritual para ser comunicado às almas. Queres ver os anjos ?
E eu disse a Nosso Senhor :
— Mostrai-mos, Jesus, Mostrai-mos Jesus.
Principiei, então, a ver uma coisa alta do feitio do Céu com uma cor tão linda ! Via nela não sabia o quê. Não sei como fiquei. Como havia de mandar eu dizer a Vossa Reverência que eram os anjos se eu não divisava o que era ?
Dizia-me Nosso Senhor :
— Faço isto para te obrigar a obedeceres e a escreveres e a confiares nisto.
Do meio saiam à moda de uns raios dourados e dizia-me Nosso Senhor que era o amor com que eles O amavam, via também à moda de um altar em ponto grande e no meio parecia-me uma pombinha branca. Por cima tinha muitos, muitos anjinhos; estavam em torno sobre a Santíssima Trindade. Passados alguns momentos voltei a vê-los; já os divisava melhor. Eram mais bastos do que moinhos. Parecia que estavam aos montes. Via mais outras coisas, eram os querubins e os serafins. Disse-me Nosso Senhor :
— Vê-los? Há-de ir a tua alma para o Céu cercada deles.
Sentia todo aquele calor e força de que tenho falado a Vossa Reverência e uma união tão grande com Nosso Senhor que não podia deixar. E disse-me o meu Jesus :
— Manda dizer ao teu pai espiritual que Eu quero que sejam realizados os teus desejos : quero que sejas visitada por ele. Foi a ele que confiei a tua alma e teus segredos. O tempo passa. Não queiras nada do mundo : vive como se estivesses comigo em corpo nos meus sacrários que Eu vivo em ti como lá. É a paga do amor que me tens e de quereres viver lá unida a mim.
No dia seis, pouco depois da Sagrada Comunhão, falava-me Nosso Senhor:
— Ó filha, tu não te cansas de me dizer que habite em ti, e Eu não me canso de em ti viver. E como me hei-de cansar se tu és o meu anjo, a companheira fiel dos meus sacrários ! Continua a tua missão que dentro de pouco acabará. Deixa-me que te diga que o teu fim está próximo. Vive nos meus sacrários; pede-me pelos pecadores. O meu coração está angustiado nos sacrários. Eu chamo-os por todos os modos : infelizes. Estão surdos à minha voz divina, estão cegos à luz do seu Deus. Sofre, minha filha, que os teus sofrimentos e aflições transformar-se-ão, dentro em pouco, em rosas cobertas de pérolas preciosas. Minha filha, à volta de ti é o paraíso. Os anjos, os querubins, e os serafins e a minha Mãe Santíssima. Como Eu sou bem louvado por eles ! Queres voltar a vê-los ?
Eu disse que sim ao meu Jesus. Principiei, então, a ver tantas coisas ! Um movimento tão grande ! Pelo meio tinha tantos, tantos parecia fios dourados entrelaçados uns nos outros! E dizia-me Nosso Senhor :
— É o amor em que eles ardem por mim.
Sentia um calor tão forte e uma força a abraçar-me! E dizia-me Nosso Senhor :
— Amo-te tanto ! Faz que eu seja amado que, dentro em pouco, amar-me-ás e contemplar-me-ás para sempre no Céu.
Por hoje mais nada. Muitas lembranças da minha mãe, da Deolinda. da Senhora Dª Sãozinha, destes dias não sei nada, pois está para Braga.
Por caridade, não esqueça de pedir por mim que preciso muito para eu fazer em tudo a vontade de Nosso Senhor, que eu também tenho pedido muito a Jesus por Vossa Reverência e prometo continuar. Fico ansiosa por receber uma cartinha de Vossa Reverência.
Abençoe, por caridade, a pobre
Alexandrina Maria da Costa. »[1]


[1] Carta ao Padre Mariano Pinho : 6 de Junho de 1935.

1 comentário:

Dulce disse...

A Paz de Cristo!