28 de setembro de 2006

51° ANIVERSÁRIO DA MORTE DA BEATA ALEXANDRINA

13 de Outubro de 1955


Pequena e humilde homenagem neste 51° aniversário do "nascimento ao Céu" da Beata Alexandrina de Balasar.

“Se aqui eu não voltar,
A ver-Vos mais Maria,
No Céu, no Céu, no Céu,
eu vos verei um dia!”

O momento chegou,
Que feliz este dia,
Em que p’ró Céu eu vou
Grande é minha alegria!

P’ró Céu, p’ró Céu, p’ró Céu
Mas que pressa é a minha!...
Jesus é todo meu,
Assim como a Mãezinha!...

Mas que bela esta luz,
Que dita é esta minha:
Eu já vejo a Jesus
E com Ele a Mãezinha!

Adeus, adeus, adeus,
Já não posso esperar:
Já se abrem os Céus,
Jesus me manda entrar!

Feliz aquele alminha
Que aceita a sua cruz...
Agrada à Mãezinha,
E contenta Jesus.

Do Céu, junto de Deus,
Por vós eu pedirei!...
Coragem, irmãos meus,
Não vos esquecerei!

Afonso Rocha

15 de setembro de 2006

ALEXANDRINA MÍSTICA – 2

Que é um místico ?

O místico não é só aquele ou aquela que beneficia de visões sensíveis ou imaginativas ; de locuções interiores, levitações, bilocações ou quaisquer outros dons sobrenaturais excepcionais ; o místico é também, e sobretudo, aquele que vive uma vida interior cheia de recolhimento, cheia de amor de Deus ; o místico é ainda aquele que vive exclusivamente para Deus, de Deus e em Deus, conformando a sua vida, tanto quanto lhe é possível, aos ensinamentos evangélicos, ensinamentos deixados pelo próprio Jesus, que os viveu ao mais alto grau, de maneira que, seguindo o seu exemplo, todos se reconheçam nele.
O místico é portanto aquele que faz dos dois primeiros mandamentos de Deus uma regra de vida e que os vive plenamente, sem se preocupar minimamente de qualquer outra atracção que a vida ou as circunstâncias desta colocam na sua frente.
O verdadeiro místico pensa só em Deus, exclusivamente ; nada mais procura fazer do que a vontade de Deus em todas as coisas, mesmo ao risco de sofrimentos, mesmo se por isso ele deve oferecer a sua própria vida. Isto é pois o primeiro mandamento : “adorar à Deus e ama-lo acima de todas as coisas”.
O verdadeiro místico preocupa-se da salvação das almas e aceita, sem qualquer receio, humilde e amorosamente, participar na redenção do seu próximo. Eis aqui o segundo mandamento : “amar o próximo como a si mesmo”.
O místico não é fanático, mas sim aquele que, habitado pelo amor de Deus, uma só coisa deseja, de nada mais precisa, de nada mais se interessa senão deste amor cioso e amorosamente possessivo que é o amor de Deus, para o qual ele pende continuamente.
O místico é aquele que, ao mínimo chamamento se encontra todo inteiro na presença do se bem amado, que responde sempre presente ao mais pequenino apelo da Sabedoria infinita, à mínima solicitação da Misericórdia divina.
O místico é aquele que, ouvindo pronunciar « o Nome que está acima de qualquer Nome » [1], o nome do seu bem amado, se sente ligeiro como o ar, sente o seu coração cavalgar, arder de amor pelo “esposo”, e, por pouco que não consiga dominar-se, sente seus olhos cheios de lágrimas de alegria, aperta o seu peito e grita : “Jesus ! Jesus, eu amo-te, sou todo teu !” Ele tem como a impressão de já não viver neste mundo e, o seu único e mais veemente desejo è o Céu.
(Continua)

[1] S. Paulo aos Filipenses: 2, 9.

Afonso Rocha

13 de setembro de 2006

NOVO LIVRO

Temos o prazer de informar todos os nossos amigos que um novo livro sobre a Beata Alexandrina acaba de ser editado em Itália.
Trata-se de um trabalho do Padre Pier Luigi Cameroni e que se intitula:
“Sui Passi di Alexandrina” (Nas pegadas da Alexandrina).
Este livro é apresentado como “um testemunho para ajudar a descobrir a riqueza espiritual da Beata Alexandrina Maria da Costa, mediante uma breve síntese da sua vivência humana e espiritual...”
Pensa o autor que o dito livro “tentará promover um melhor e mais aprofundado conhecimento da mensagem que Jesus nos dá através da Alexandrina”.
Desejamos o melhor êxito a esta nova iniciativa italiana, esperando que em breve este trabalho possa ser traduzido em português, de maneira que também em Portugal se possa fazer a mesma promoção, para a maior glória de Deus e a exaltação da bem-aventurada Alexandrina de Balasar.

Afonso Rocha
CENTENÁRIO DE DOM HUMBERTO PASQUALE

”ad perpetuam rei memoriam”

No passado dia 1 de setembro de 2006, ocorreu o centésimo aniversario do nascimento do Padre Humberto Maria Pasquale, “sacerdote segundo o Coração de Cristo, salesiano no coração de Dom Bosco e Director espiritual da Beata Alexandrina Maria da Costa”.
Efectivamente, este “santo” sacerdote nasceu em Vignole Borbera, Itália no dia 1 de Setembro de 1906.
No sábado, dia 7 de Outubro, será organizado um encontro de salesianos e amigos do bom Padre Pasquale e, ser-lhe-á prestada uma digna homenagem.
Este encontro decorrerá em Valdocco, nos arredores de Turim e será animado pelo Padre Dom Pier Luigi Cameroni e pela Professora Maria Rita Scrimieri, grande especialista da vida e obras da Beata Alexandrina.
Este encontro contará igualmente com a presença de Dom Enrico dal Covolo, Postulador Geral pelas causas dos santos da Família Salesiana, pelo que foi igualmente o Postulador final da causa da Beata Alexandrina, por ela ser Cooperadora Salesiana.
Este encontro terminará com uma Eucaristia á qual assistirão, provavelmente numerosas pessoas, que pouco antes terão visitado o Santuário de Nossa Senhora Auxiliadora e o Centro de Estudos Salesianos.

Afonso Rocha

12 de setembro de 2006

ALEXANDRINA MÍSTICA – 1

Razão deste tema

Estudar a mística vivida pela beata Alexandrina de Balasar é um prazer ao qual não posso resistir. Como não penso fazer deste humilde estudo um assunto pessoal, desejo partilha-lo com aqueles que, visitando estas páginas possam interessar-se por tal fenómeno, que não sendo corrente, faz parte integrante da vida cristã. Pena é que ― eu falo pelo que vejo em França ― este estudo importante não faça já parte dos estudos nos seminários e infelizmente, são poucos agora aqueles que sejam ou possam ser « doutores » nesta matéria delicada.
Eu não sou teólogo, claro está, mas apenas um simples “aprendiz” de ascética e de mística.
Por aqui, já me interessei em alguns casos : Nicolas Roland
[1], fundador duma Congregação religiosa e que foi o Director espiritual de S. João Baptista de La Salle ; o Padre Paul Warnier (1900-1966) [2], pároco de uma das maiores paróquias da cidade francesa de Reims ― onde vivo ― sem falar no caso vivido actualmente por uma senhora, mãe de família, e que eu sigo atentamente, deixando à Igreja a decisão que melhor lhe convier neste ultimo caso.
Depois de muito ter lido e estudado os autores mais conhecidos nesta “arte” ― S. João da Cruz, santa Teresa de Ávila, a beata Angela de Foligno, santas Catarina de Sena e de Génova, Afonso Rodriguez, santa Maria Madalena de Pazzi e alguns mais ― pensei que seria bom, no caso da nossa recém beata Alexandrina Maria da Costa, compor um simples trabalho e neste fazer salientar as similitudes existentes entres os mestres da mística citados e a nossa Bem-aventurada de Balasar.
Mas, comecemos pelo principio...
(Continua)
Afonso Rocha

[1] Nicolas Roland, mystique.
[2] Paul Warnier, un prêtre de feu.