16 de janeiro de 2011

JOÃO PAULO II

Papa, (Beato)
1920-2005
Papa de 1978 a 2005

O Papa que Beatificou a Beata Alexandrina de Balasar


Karol Józef Wojtyla, conhecido como João Paulo II desde a eleição à Sede Apostólica em Outubro de 1978, nasceu na pequena cidade polaca de Wadowice, situada a 50 km de Cracóvia, em 18 de Maio de 1920. Ele era o mais novo de três filhos nascidos de Karol Wojtyla e Emília Kaczorowska. Sua mãe morreu em 1929. Seu irmão mais velho Edmund, médico, morreu em 1932 e seu pai, um antigo oficial do exército morreu em 1941. Uma irmã, Olga, tinha morrido antes de ele nascer.

Ele foi baptizado em 20 de Junho de 1920 na igreja paroquial de Wadowice pelo Padre Franciszek Zak, fez sua Primeira Comunhão aos 9 anos e foi confirmada em 18 anos. Após a formatura no liceu de Marcin Wadowita de Wadowice, matriculou-se em Cracóvia n Universidade Jagiellonian em 1938 e numa escola de teatro.

As forças nazis em 1939, fecharam a Universidade e o jovem Karol teve de trabalhar numa pedreira (1940-1944) e, em seguida, na fábrica química Solvay para ganhar a sua vida e para evitar de ser deportado para a Alemanha.

Em 1942, consciente da sua chamada ao sacerdócio, começou a cursar no Seminário clandestino de Cracóvia. Foi nesse mesmo período um dos promotores do Teatro Rapsódico, também ele clandestino.

Após a Segunda Guerra Mundial, ele prosseguiu os seus estudos no Seminário Maior de Cracóvia, uma vez que havia reaberto, e na Faculdade de Teologia da Universidade Jagiellonian. Foi depois ordenado sacerdote pelo Arcebispo de Cracóvia Adam Sapieha no dia 1 de Novembro de 1946.

Pouco tempo depois, o Cardeal Sapieha enviou-o para Roma onde trabalhou sob a orientação do francês Dominicano, Garrigou-Lagrange. Ele terminou o seu doutoramento em teologia em 1948 com uma tese sobre o tema da fé nas obras de São João da Cruz (Doctrina de fide apud Santuário Ioannem um Cruce). Nessa época, durante suas férias, ele exerceu o seu ministério pastoral entre os imigrantes polacos da França, Bélgica e Holanda.

Em 1948 voltou à Polónia e foi vigário de diversas paróquias de Cracóvia, bem como capelão dos estudantes universitários. Esse período durou até 1951 quando ele começou os seus estudos de filosofia e teologia. Em 1953 ele defendeu uma tese sobre “Avaliação da possibilidade de fundar uma ética católica sobre o sistema ético de Max Scheler”, na Universidade Católica de Lublin. Mais tarde ele tornou-se professor de teologia moral e ética social no Seminário Maior de Cracóvia e na Faculdade de Teologia de Lublin.

Em 4 de Julho de 1958, foi nomeado bispo titular de Ombi e auxiliar de Cracóvia pelo Papa Pio XII, e foi consagrado em 28 de Setembro de 1958, na Catedral de Wawel, Cracóvia, pelo Arcebispo Eugeniusz Baziak.

Em 13 de Janeiro de 1964, foi nomeado arcebispo de Cracóvia pelo Papa Paul VI, que o fez cardeal a 26 de Junho de 1967 com o título de S. Cesareo in Palatio uma diaconia elevada ao grau presbiteral pro illa vice. Para além de tomar parte no Concílio Vaticano II (1962-1965) onde ele fez uma importante contribuição para a elaboração da Constituição Gaudium et Spes, o Cardeal Wojtyla participou em todas as assembleias do Sínodo dos Bispos.

No decorrer do segundo Conclave de 1978, os cardeais elegeram-no Papa no Conclave de 16 de Outubro de 1978, e ele tomou o nome de João Paulo II. Em 22 de Outubro, o Dia do Senhor, ele inaugurou solenemente o seu ministério petrino como o 263º sucessor do apóstolo Pedro. O seu pontificado, um dos mais longos da história da Igreja, durou quase 27 anos.

Impulsionado pela sua solicitude pastoral para com todas as Igrejas e por um sentimento de abertura e de caridade para toda a raça humana, João Paulo II exerceu o seu ministério petrino com um incansável espírito missionário, a ela dedica toda a sua energia. Ele fez 104 visitas pastorais fora da Itália e 146 no interior da Itália. Como bispo de Roma ele visitou 317 das 333 paróquias da cidade.

Ele tinha mais reuniões do que qualquer um de seus antecessores com o Povo de Deus e com os líderes das nações. Mais de 17 600 000 peregrinos participaram nas audiências gerais realizadas cada quarta-feira (mais de 1 160), sem contar outras audiências especiais e cerimónias religiosas [mais de 8 milhões de peregrinos durante o Grande Jubileu do Ano 2000], e os milhões de fiéis que ele conheceu durante visitas pastorais na Itália e em todo o mundo. Não podemos esquecer também as numerosas personalidades públicas que ele enfrentou durante 38 visitas oficiais, 738 audiências e reuniões com chefes de Estado, e 246 audiências e reuniões com os primeiros-ministros.

O seu amor aos jovens levaram-no a estabelecer as Jornadas Mundiais da Juventude. Os 19 JMJ durante o seu pontificado, reuniram milhares de jovens de todo o mundo. Ao mesmo tempo os seus cuidados para com a família foram expressos nos Encontros mundiais de Famílias, que ele iniciou em 1994.

João Paulo II conseguiu estimular o diálogo com os judeus e com os representantes de outras religiões, a quem ele várias vezes convidada para reuniões de oração pela paz, especialmente em Assis.

Sob a sua orientação a própria Igreja aproximou-se do terceiro milénio e comemorou o Grande Jubileu do ano 2000, de acordo com as instruções dadas na Carta Apostólica Tertio Millennio Adveniente. A Igreja, em seguida, enfrentou a nova época, recebendo instruções na sua Carta Apostólica Novo millennio ineunte, na qual ele indicou aos fiéis o seu futuro caminho.

Com o Ano da Redenção, o Ano Mariano e do Ano da Eucaristia, ele promoveu a renovação espiritual da Igreja.

Ele deu um impulso extraordinário às Canonizações e Beatificações, para mostrar inúmeros exemplos de santidade de hoje, como um incentivo para as pessoas do nosso tempo. João Paulo II participou em 147 cerimónias de beatificação durante as quais proclamou 1338 Beatos; e 51 canonizações para um total de 482 santos. Proclamou Santa Tereza do Menino Jesus Doutora da Igreja.

Ele aumentou consideravelmente o Colégio dos Cardeais, criando 231 Cardeais, mais um in pectore cujo nome nunca foi revelado, em 9 consistórios. Presidiu igualmente seis reuniões plenárias do Colégio dos Cardeais.

João Paulo II presidiu 15 Sínodos dos Bispos: seis Assembleias Gerais Ordinárias (1980, 1983, 1987, 1990, 1994 e 2001), uma Assembleia Geral Extraordinária (1985) e oito Assembleias Especiais (1980,1991, 1994, 1995, 1997, 1998 (2) e 1999).

Os seus documentos mais importantes incluem 14 Encíclicas, 15 Exortações Apostólicas, 11 Constituições Apostólicas, 45 Cartas Apostólicas.

Promulgado o Catecismo da Igreja Católica, à luz da tradição, interpretada com com autoridade pelo Concílio Vaticano II. Também reformou os Códigos de Direito Canónico orientais e ocidentais, criou novas instituições e reorganizou a Cúria Romana.

A título privado, como Doutor, também publicou cinco livros: “Entrar na Esperança” (Outubro de 1994), “Dom e Mistério, sobre o quinquagésimo aniversário da minha ordenação como sacerdote” (Novembro de 1996), “Tríptico romano” meditações poéticas (Março de 2003), “Levantemo-nos e vamos” (Maio de 2004) e “Memória e Identidade” (Fevereiro de 2005).

À luz de Cristo ressuscitado dentre os mortos, em 2 de Abril de 2005, às 9,37 h, quando já se entrava, na Oitava de Páscoa e domingo da Divina Misericórdia, o amado Pastor da Igreja, João Paulo II, partiu deste mundo para o Pai.

A partir dessa noite até 8 de Abril, data do funeral do falecido Pontífice, mais de três milhões de peregrinos chegaram a Roma para prestar homenagem aos restos mortais do Papa. Alguns deles com mais de 24 horas na fila para entrarem na Basílica de S. Pedro.

Em 28 de Abril, o Santo Padre Bento XVI anunciou uma despensa no período normal de espera de cinco anos antes de começar a causa de beatificação e canonização no caso de João Paulo II. A causa foi oficialmente aberta pelo Cardeal Camillo Ruini, vigário geral para a Diocese de Roma, em 28 de Junho de 2005.

Será beatificado em Roma pelo Pape Bento XVI, seu sucessor, no dia 1 de Maio de 2011.

Sem comentários: