31 de janeiro de 2012

TENHO TANTO MEDO DE PECAR !

Tiro da tua agonia toda a consolação para mim.

– Mãezinha, Mãezinha, vede o perigo em que estou, valei-me, não me deixeis pecar nem manchar o meu corpo nem a minha alma.
Só se morre, quando Jesus quer. Se assim não fosse, neste combate teria morrido. Fiquei caída, banhada em suor e sobre um abismo medonho sem um pequenino fio que me sustentasse. Olhava-o assustada, ouvi Jesus a dizer-me assim:
– Este abismo, minha filha, é o abismo dos viciosos, entregues ao prazer e à carne. Ai deles sem a tua reparação. Anjo meu, anjo querido, apressa-te a desempenhar a tua missão.
No mesmo instante, uma suave aragem levou-me às minhas almofadas. Continuou Jesus:
– Vamos, minha filha, desabafar os dois. Eu contigo as minhas mágoas e tu comigo as tuas. Coragem, tu não me ofendes. Sais destes combates com a tua alma cada vez mais pura e mais brilhante aos meus divino olhos. Que grande consolação dás com isto ao meu Divino Coração tão ferido.
– Ó meu Jesus, custa-me tanto este sofrimento! Tenho tanto medo de pecar! Velai por mim, eu quero só o que Vós quiserdes. Vede todo o sofrimento que me vai na alma. Que triste agonia.
– Anima-te, minha amada. Tiro da tua agonia toda a consolação para mim. A tua morte dá a vida às almas. Não te deixei sentir consolação da visita do meu querido Padre Humberto nem a ele de te ver consolada; foi para tirar todo o proveito para as almas. Foi para que os homens vejam o que é a alma abraçada à cruz e firme no amor de Jesus, para que não levem as coisas pelo lado do entusiasmo. Dá ao meu Padre Humberto os meus agradecimentos por ter vindo dar vida à alma da minha esposa, da minha vítima amada. Dá-lhe as minhas graças, bênçãos e amor, a ele e a toda a congregação. Ele está preso duma só asa, só um voo lhe foi cortado. Eis porque lhe mando bênçãos e graças para toda a congregação. É o prémio que lhe dou com minha Bendita Mãe a quem ele ama, e Ela o ama tanto. Com os seus olhares, em união com ele, tanto bem tem feito às almas. Quero que te ampare, já que te não pode amparar aquele que anseia voar junto de ti, o teu paizinho, a quem cortaram os voos e, não satisfeitos, por todos os lados o ataram. Quanto isto tem ferido o meu Divino Coração! Mas, oh quanta consolação para o meu Divino Coração e proveito para as almas do sofrimento dele eu tenho tirado. Coragem, pois, para combater tudo o que vier. Coragem e firmeza, como os soldados que no meio do maior combate nem ao menos estremecem. Dou a todos os que cuidam da minha divina causa a certeza da vitória. Minha filhinha, eu não demoro a vir com minha Bendita Mãe a dar-te a nossa vida divina. Necessitas dela, é dela que vives, a tua é-te roubada pelos pecadores e pelos perseguidores da minha causa divina.
– Sinto-me desfalecida, Jesus, sinto-me inclinar para a morte, não para esta morte que sinto, mas para a morte que é a vida que me dá a eternidade, que me dá o céu, onde não poderei ter receio de Vos ofender. Venha a dor, venha o amor, eu bendirei tudo o que vier das Vossas mãos divinas. Conto só conVosco, por mim só tenho dúvidas e receios.
Retirou-se Jesus ou escondeu-se; ficou silencioso na minha alma, na minha alma tão ferida, tão receosa de ter pecado. Aproximava-se a hora da visita de Jesus Sacramentado e não se apagava da minha memória a luta de satanás. Que tristeza receber a Jesus depois de ter passado por tão feias coisas. Passei o dia morta para tudo, só viva para a dor. Ai, meu Jesus, como é triste a minha vida; só seria alegre, muito alegre, se, no meio de tudo isto, eu Vos amasse, e as almas fossem salvas.
(Sentimentos da alma, 16 de Janeiro de 1945)

Sem comentários: