28 de fevereiro de 2012

SINTO QUE SOU UM MUNDO DE FRIEZA

Eu queria estar de joelhos, enquanto o mundo fosse mundo…

– O meu sofrimento, o que se passa na minha alma, nem eu sei dizê-lo; mas sabe Jesus, conhece-o, sabe que não minto, que não vivo para enganar. Ao menos isto: Jesus conhece e só Ele poderá pedir-me contas. Sinto que sou um mundo de pecados, de podridão. Sinto que sou um mundo de frieza e de ingratidão. Sinto que sou um mundo de esquecimento e desprezo por Jesus e sinto que sou um mundo de sangue. Que dor para mim ao sentir que tudo fiz e nada mais posso fazer pelo mundo. Mas, meu Deus, o que fiz eu, se tudo o que sofro e tudo o que faço não me pertence! Como posso sentir que tudo fiz pela salvação do mundo! Não dei por ele a minha vida, mas essa mesma já a ofereci a Jesus. O que é este mundo de sangue que eu sinto que sou? Vós o sabeis, ó meu Deus, isso basta. Parece-me que toda a humanidade é banhada nele. Ai, se eu soubesse o que podia fazer para a salvar! E as pobres criancinhas do limbo? Não desisto da minha oferta, dos meus pedidos a Jesus para as ir lá baptizar. Oh! se eu pudesse! Se Jesus o consentisse! Eu queria estar de joelhos, enquanto o mundo fosse mundo, claro está, sempre coma graça e força de Jesus, para obter d’Ele esta graça: baptizar as criancinhas. É insuportável a dor que me causa a lembrança de elas ficarem uma eternidade inteira sem amarem a Jesus, sem O verem, sem O louvarem. Que pena, que pena, meu Jesus, parece que morro de compaixão por elas. E as almas que estão no inferno! Ó meu Jesus, não ter ele fim! Não sei se me faço compreender. A minha alma sente uma dor indizível não tanto pela dor que elas lá sofrem, mas sim por não poderem mais ver a Deus. Oh! que negro sofrimento, parece-me mais do que desespero. Meu Jesus, nem sei o que digo: queria sofrer tudo, tudo e remediar todos estes males. Ó meu Amor, ó meu Amor, Vós, sim, Vós vedes, Vós acreditais na sinceridade das minhas palavras; não saem só dos meus lábios, saem do mais íntimo do meu coração, do meio da maior dor e agonia da alma. Sim, meu bom Jesus, sabeis que não é intrujice, como alguém diz que a minha vida o é. Por graça e misericórdia Vossa nunca pensei em tal. Há em mim alguma coisa de bom, de louvável? Não o sinto, não o conheço. Mas, se o há, a Vós pertence, não é meu. Oh! quantos espinhos ferem este coração que já não existe senão para sofrer. É do fundo da alma que Vos peço perdão para os que tão cruelmente me ferem. Sou ferida por aqueles de quem menos devia ser, mas também eu procedo assim por Vós, meu bom Jesus. Perdoai-me. A minha alma sente que muitos dos que me têm ferido querem agora limpar-se, mas a mim não podem, sou trapo imundo, ainda se sujam mais. Ai, como estou magoada, mas antes milhões de vezes sofrer inocente do que uma só vez culpada. Não quero perder um momento a minha união com Deus.

Sentimentos da alma: 22 de Janeiro de 1945

Sem comentários: