23 de junho de 2011

MINHA FILHA, MEU PARAISO NA TERRA

Jesus uniu novamente os nossos corações

— “Minha filha — disse-me Ele — tem dó de Mim, esconde-me, esconde-me no teu coração. Ofendido, sou ferido, consola-me, repara-me, dá-me, dá-me em ti abrigo. Oferece-me tudo”.

Por amor de Jesus, para O consolar principiei a oferecer os meus sofrimentos e vários sacrifícios. E eram tão grandes os desejos que tinha de O esconder que queria possuir todos os corações do mundo, infundi-los todos uns nos outros e colocar Jesus no mais interior. Queria vê-lo resguardado nas mais íntimas chamas de amor. Eu, tão desconsolada, esforcei-me tanto para O consolar. Pela manhã veio Jesus adolescente buscar-me à prisão, tomou-me pela mão, foi o meu companheiro, o meu Cireneu em todo o caminho do Calvário. Eu ia desfalecida, coberta de suor e sangue, mas sabia que Jesus me acompanhava ; e quando eu caía Ele deitava-me as suas duas mãos santíssimas para levantar-me. Eu recebia aquele benefício como se não fosse feito a mim. A sua divina presença não me aliviava, via só dor, oprimia-me o seu peso e arrastava-me o amor. Cheguei ao Calvário e o mesmo Jesus adolescente infundiu-se em mim, retratou-Se no meu corpo e foi comigo crucificado. Oh ! como Jesus sofreu logo desde tão tenra idade. No meio da agonia da morte bradava ao Eterno Pai, sem me lembrar que o Seu divino Filho estava comigo crucificado. E foi assim que agonizei e Ele novamente me falou :

— “Minha filha, minha filha, meu paraíso, meu Céu aqui na terra, tabernáculo da minha habitação. Estou mais consolado, cicatrizaste com o teu amor e a tua reparação as feridas dos espinhos que cercam a meu divino Coração. Aceita que é a tua vida, aceita é a vida das almas”.

Jesus uniu novamente os nossos corações, estavam como que colados um ao outro. Eu via da chaga do Coração de Jesus passar para o meu o seu divino Sangue e raios fortíssimos do seu Amor. Só isto foi o bastante para eu me perder e enlouquecer por Ele.

(Beata Alexandrina: Sentimentos da alma, 29 de Junho de 1945 – Sexta-feira).

Sem comentários: