22 de julho de 2016

Ó SANTA OBEDIÊNCIA !

Lançaram-me a público sem consentimento meu...


Ó santa obediência, como eu te amo por Jesus e pelas almas. Lançaram-me a público sem consentimento meu, de nada soube e agora, meu Jesus, querem à custa da minha dor apanhar as penas que o vento tão furioso espalhou!
Como, Jesus, como? Ai, nunca mais, meu Jesus, nunca mais. Oh! Quem me dera viver escondida; ai, quem me dera amar-Vos como tanto desejo ser Vossa, meu Jesus, a mais não poder ser, mas perdoai, ó Jesus, perdoai-me, sem ter esta vida assim! Ai, quantos que nada desta vida conhecem e são santos, e eu, meu Jesus, cheia de misérias! Oh! que saudades dos anos que já lá vão! Tantos colóquios tive convosco e sem que nada se soubesse. Dava vidas, meu Jesus, dava mundos para viver escondida. Perdão, Jesus, querer, não tenho vontade. Meu Deus, se eu soubesse que com o meu sofrimento a Vossa consolação era completa!
Se eu pudesse viver fechada neste quartinho, sendo Vós, meu Jesus, e estas pobres paredes testemunhas das minhas dores, sem que os meus e todos os que me são queridos pudessem recordar que eu vivia aqui e que em dia algum da vida eu tenho vivido na companhia deles, então já não sofria. Mas vejo que quem sofre mais é o Vosso divino Coração, e que os que me são queridos sofrem comigo, não podem esquecer-me, então faz-me sofrer a mais não poder.

Quantas vezes não posso conter as lágrimas, cega, cega de dor! (S. 01-08-1944)

Sem comentários: