9 de novembro de 2011

ACODE AO MUNDO

Eu fiquei sozinha ligada ao princípio dessa montanha.


Na manhãzinha de hoje, sem pensar encontrá-Lo, lá O fui encontrar quase moribundo. Tomei a cruz, depois dos açoites e todos os maus-tratos com os quais perdi muito sangue. Senti o caminho do Calvário, mas logo no princípio senti que o sangue de Jesus fervia em Seu divino Coração como panela que ferve sobre chamas. Ele atirava-se de braços abertos para os sofrimentos, como quem se atira às ondas para nadar. Em todo o caminho da amargura, e no Calvário, e já no alto da cruz, Jesus levantou por muitas vezes os Seus divinos olhos como que a pedir auxílio; sentia-os na minha alma como que abrirem-se e a fecharem-se. Cravaram-se-me no coração todas as feridas do corpo Santíssimo de Jesus e bem gravadas ficaram e todos manchados de sangue os caminhos que percorremos. Já lá vai muito tempo e ainda os sinto em mim, como se fosse agora! Não foram só os caminhos dolorosos que me fizeram sofrer, surgiram espinhos postos por mãos humanas a ferirem-me também; levaram-me a fitar a cruz com Jesus, a pedir-Lhe forças para os suportar. Quanto custa este viver!
Quando estava assim no Calvário, a cruz e Jesus levantaram-se em meu peito, a montanha foi subindo, subindo, levou a cruz e nela Jesus, desapareceu tudo, sumiu-se o Céu. Eu fiquei sozinha ligada ao princípio dessa montanha. Levantou-se um mar de crimes, das maiores iniquidades, e as ondas desse mar batiam em mim, membro dessa montanha, como batem as ondas num cais. Quanto mais batiam, mais cegueira eu tinha, mais ó me sentia. Sem luz, sem auxílio para aguentar tão0 grande mar de crimes, pior imensamente pior do que a fúria da mais tremenda tempestade, senti-me morre, mas sem Jesus a acompanhar-me. Não O senti a Ele a expirar. Assim fiquei por um bom espaço de tempo, morta sem morrer, nas trevas sem ser noite. Veio, depois, Jesus; não me trouxe logo a luz, trouxe-me a vida e um fogo que me incendiou o coração; pegou o fogo e disse-me:
― Minha filha, minha filha, tu não estás só; eu estou contigo. E sabes quem Eu sou? Sou aquele Jesus a quem escolheste e preferiste para Esposo. Como Eu te quero e amo! Anima-te, anima-te; tem coragem. Tu não és trevas, és luz; as trevas são para ti, para viveres nelas e a luz, a luz, que tu és, é para as almas. Criei-te para elas, não és do mundo e vives para o mundo, não estás no Céu e vives do Céu. Desde o primeiro instante da tua existência, desde que te criei vi sempre em ti a missão que te confiei, a missão mais bela, a missão mais nobre, a missão das missões, a missão das almas; criei-te para elas, delas és vítima. E à Minha semelhança, vítima do Calvário, vítima do Gólgota. Como prova de que o és, foi por isso que te uni ao princípio da montanha e sobre ti fiz bater o mar das iniquidades.
A montanha subiu, a cruz desapareceu, e eu com ela fui para o Céu. Mas os crimes continuaram, e eu continuei a dar a prova do Meu amor e a derramar sobre o mundo as Minhas graças. Foi aquela chuva de oiro, que do alto da cruz viste das Minhas chagas, de todas as Minhas feridas brotar. E a prova desse amor foi fazer continuar a obra da redenção. O Calvário, o Meu divino Sangue foi desprezado; desprezadas foram as Minhas graças, o Céu fechou-se para a maior parte da humanidade, perdeu-se para ela o sofrimento da cruz. Foi preciso continuar essa obra, através das Minhas vítimas. És a maior vítima, és a maior depositária das riquezas de Jesus. Acode ao mundo. Eu continuo a dizer que ele está em perigo, grave perigo, urgente perigo. A maldade desafia a justiça do Eterno Pai. Escuta o mendigo que bate, dá a esmola a Jesus que te pede; aceita a cruz, leva-a com alegria, dá-Me a dor, dá-Me o fruto do teu Calvário; quero-o para as almas; dá-Me o combate do demónio. Que grande reparação eles Me dão! Dá-Me as almas, acode-lhes. Faz tua a Minha dor, faz teus os Meus suspiros, faz teu o Meu amor e as ânsias do Meu divino Coração.

(Beata Alexandrina: Sentimentos da alma, 17 de Outubro de 1947 - Sexta-feira)

Sem comentários: