2 de novembro de 2011

TRANSMITE ESTA FORTALEZA

Quero que sejas luz, quero que faças luz!


Falo tão pouco do amor de Jesus e da Sua infinita misericórdia para nós pobres pecadores. Bendito seja o Senhor! Só sei falar de mi, do que sinto, do quanto sofro. A dor é para mim uma ligação de conversação contínua. Que horror, que horror meu Jesus; mas Vós bem sabeis que o faço por obediência!
Sofri muito durante a noite, ferida por espinhos novos, que se me cravaram. Tive mais lágrimas para oferecer a Jesus e sem querer recordava as que chorei e vi chorar os meus, porque em mim se passava nas primeiras crucifixões de há 9 anos. O que seria, se em vez do presente, víssemos o futuro que nos esperava. Bendito seja Deus, louvado Ele seja por tudo o que nos dá. É de noite, mais ainda do que de dia, que me ofereço a Ele como vítima, que Lhe peço o Seu divino amor e cumprimento fiel da Sua divina vontade. Com estas disposições mas a sangrar de dor preparei-me para O receber e esperei a hora de Ele baixar a mim. Pouco depois da Sua entrada no meu pobre coração, Ele suavizou toda a minha dor, e disse-me:
― Minha filha, Minha filha, alma forte, coração de fogo; forte com a Minha fortaleza, fogo do Meu Coração, calor do Meu divino amor. Transmite esta fortaleza, irradia este fogo. Quero que sejas luz, quero que faças luz. Dá amor aos que Me amam, faz luz aos que não Me conhecem ou conhecendo-Me Me desprezam, para que por essa luz venham a Mim. Repara-Me, repara-Me, Minha filha; sem a tua reparação sangra sempre o Meu divino Coração e o da Minha Bendita Mãe. Repara-Me a Mim, repara a Ela. Como está o mundo, como está o mundo, como subiu a labareda dos crimes. Estou cansada de suster a justiça de Meu Pai. Haja um mundo novo, haja um mundo de pureza, haja um mundo de amor. Escuta, Minha filha, escuta para que o mundo não saiba, para não se escandalizar mais. É um desabafo de Esposo, é um desabafo de Pai.

(Beata Alexandrina: Sentimentos da alma, 4 de Outubro de 1947 - Sexta-feira)

Sem comentários: