15 de abril de 2012

ÉS MINHA FILHA, FALO DO QUE É MEU

És esposa que só ao Esposo se assemelha

— Meu Jesus, custa-me tanto, tanto ouvir-Vos falar assim. Sou tão miserável, sou só miséria. Como podeis dizer isso? Como podeis consolar-Vos, depois de tanta maldade e ingratidão que encontrais em mim, para me falardes desta forma?
— Escuta, filhinha amada, não quero, não posso consentir que voltes a dizer-me o que encontro em ti para assim te falar. Não posso eu honrar-te com honrosos títulos, levar-te à maior altura, à mais alta dignidade? És minha filha, falo do que é meu. És minha esposa, esposa que possui as qualidades do seu Esposo, esposa que só ao Esposo se assemelha. Enriqueci-te das minhas riquezas, elogio e honro as minhas coisas, o que é meu. Tu és a minha pomba bela, um coração de fogo, fogo que queima, fogo que purifica, fogo que atrai a mim os corações, fogo que é capaz de incendiar o mundo, o mundo que te confiei, o mundo que é teu. Pede, pede, minha filha, pede oração e penitência e emenda de vida, pede, e que peçam aqueles que desejam ver o reinado do meu divino coração. Oh! O que espera o mundo, se não se levanta e se reconcilia comigo.
Jesus levantou-se do meu coração, ergueu as Suas santíssimas mãos, e dos Seus santíssimos olhos corriam lágrimas em grande abundância: pareciam duas fontes. A soluçar muito, continuou:
— Vês o meu divino coração aberto? É o pecado, é o prazer da carne; é o pecado, é o mundo. Salva-o, salva-o, minha filha, não deixes perder o meu sangue. Pede-lhe que se converta, faz que as almas venham a mim, reúne em meu divino coração as minhas ovelhas, todo o meu rebanho. Pede, pede em nome de Jesus. Penitência, oração e sincera reconciliação.
— Jesus, Jesus, basta, não façais isso. Ofereço-Vos a minha vida e a minha morte; ofereço-Vos todo o meu corpo e todo o meu sangue; dou-Vos o meu amor, aceito quanto Vos aprouver dar-me, toda esta vida de sofrimento, mas levantai-Vos já, meu Jesus, descei as Vossas santíssimas mãos, estancai as Vossas lágrimas. Que horror, meu Jesus, não posso ver-Vos assim. Como pode a grandeza infinita ajoelhar-se diante da maior miséria, do mais pequenino nada?!
Jesus levantou-se, sentou-se de novo em meu coração, estendeu sobre os meus ombros o Seu santíssimo braço e uniu o Seu santíssimo rosto ao meu, apertou-me fortemente, cobriu-me de beijos e incendiou no meu coração o fogo que no d’Ele ardia.
— Quanto consolou o meu divino Coração a tua oferta, o teu amor. Vejo em ti a graça, a pureza, a heroicidade das almas.
— Não é isso que eu quero, Jesus. Dizei-me a razão por que procedestes assim? Sendo Deus, ajoelhaste-te diante da criatura mais pobre e miserável. Só Vós sabeis quanto isso me atormenta.

(Beata Alexandrina : Sentimentos da alma, 23 de Fevereiro de 1945 – Sexta-Feira)

Sem comentários: