14 de abril de 2012

OLHA COMO SOFRE O MEU DIVINO CORAÇÃO

Só receberás espinhos...

— Ó meu anjo da terra, tu falas aqui e o que tu dizes escrevem os anjos no céu a letras de oiro e pedras preciosas. Vê o mundo, vê o lodo, vê a lama. A maldade que vai por aí! Olha como sofre o meu divino coração. Olha como está ferido. Já que de tão boa vontade, tão alegremente dás tudo, privo-te da minha alegria, da minha consolação, assim como te privei da consolação e alegria daqueles que te são queridos. Só receberás o meu conforto para poderes sofrer, para poderes vencer. Só receberás espinhos, de todos os lados espinhos: foi a visão que te mostrei. Viverás entre eles e entre eles expirarás. A tua alma pura romperá por entre eles, voará ao céu a arder de amor. É um anjo seráfico que voa à sua pátria. Os teus espinhos não são espinhos que secam, a tua dor cultiva o terreno desse bosque imenso que eu te mostrei; o teu sangue rega-os; são espinhos que brotam, são espinhos que dão rosas. Que jardim brilhantíssimo deles vai nascer. O orvalho que sobre esse jardim cai é orvalho de sangue, é maná celeste que vem abrilhantá-las, conservá-las, dar-lhes a vida. Tu partes para o céu, mas a tua graça, as tuas virtudes ficam na terra, é perfume que se estende a toda a humanidade. Tu partes para a Pátria e ficas comigo na Eucaristia; serás a pombinha eucarística que não abandona o seu ninho. É como a pombinha e pastorinha das almas que te quero pintar nas portinhas e cortinas dos meus sacrários. Assim o quero, minha filha, rainha do mundo, rainha dos corações. Quero, minha filha, tenho pressa, muita pressa que a tua vida seja conhecida; o mundo necessita disso. É por ti, através de ti que eu mostro o meu amor, a minha misericórdia, as ânsias que tenho de ver salvas as almas. Custa tanto o Pai castigar o filho que erra e se revolta contra ele. Como não há-de custar ao meu divino coração imolar, sacrificar a minha filha amada, a minha vítima inocente? Vê, ó mundo, a minha loucura e amor por ti. Aqueles que se opõem à minha divina causa, ao que se passa em ti, opõem-se contra mim, opõem-se à salvação das almas. Todo o teu martírio é por meu amor, é por amor às almas. Depressa, depressa a salvar, pelo que opero em ti, o mundo inteiro.
Quando Jesus dizia isto, dos Seus divinos olhos corriam lágrimas com toda a abundância. Eu disse:
— Meu Jesus, quero sofrer só eu e só eu quero chorar. Deixai-me na amargura, na tristeza infinda e ficai Vós numa alegria e consolação completa.
Jesus deixou de chorar, estreitou-me a Ele fortemente e retirou-se. Eu fiquei abraçada à minha cruz, mergulhada na minha dor.

(Beata Alexandrina: Sentimentos da alma, 2 de Março de 1945)

Sem comentários: