14 de julho de 2011

AQUI ME TENS NO TEU CORAÇÃO !

Eu não tenho querer nem vontade

Hoje, a minha preparação para receber a Jesus foi feita, na mais profunda dor, dor em que fiquei mergulhada, ontem, pouco depois de ter com Ele o meu colóquio. Depressa me apareceu a cruz com todos os seus espinhos e sofrimentos. Preparei-me na ânsia de bem O receber, para melhor O conhecer, para mais O amar.


Todos os meus esforços eu sentia serem baldados. Tudo o que nasce em mim morre, sem que eu chegue a gozar deles a ver os seus encantos. A morte está sempre em mim, a ceifar o que há de bom; só a minha miséria me deixa, e, momento a momento, cada vez maior aparece. Triste cegueira que só me mostra maldades! Veio o meu Jesus; logo que entrou em mim, dissipou as trevas; todo o meu interior ficou iluminado com o Seu amor, com a Sua paz. Fiquei outra, agora bem podia dizer não sou que vivo, mas sim Jesus. Falou-me:
― Minha filha, aqui estou, aqui Me tens no teu coração, para te confortar, e dar vida. Escuta-Me, quero dizer-te, quero afirmar-te que te amo e que Me amas; que estás na verdade e que tudo fazes e sofres como Eu quero. Esta afirmação não é dos homens, é do teu Esposo, do teu Jesus. Onde está a cruz, a cruz resignada, a cruz abraçada, a cruz amada, está a verdade, está a vitória. Onde está a dor, está o amor. Eu amo-te, tu amas-Me, confia em Mim. Tens a vida que te deu Jesus, tens a missão que te deu Jesus; tens os teus lábios, em teus olhares, em todo o teu viver a verdade. Coragem! Se tens a Jesus, o que te falta, que mais precisas? Diz-Me agora, Minha filha, o que querias dizer-Me; desabafa comigo com toda a simplicidade, como Eu contigo.
― Meu Jesus, bem sabeis que me arrependi por dizer-Vos que queria desabafar Convosco; eu não tenho querer nem vontade, mas já que me mandais, eu obedeço, meu Jesus. Tão bem me falais do Céu e que ele está perto, e nunca cá chega? Nunca mais saio deste desterro? Que vem a ser isto?
Jesus fitava-me e sorria-se para mim, cheio de bondade.
― Julgas, Minha filha, que és por Mim enganada? Bem sabes que te não engano. O que são as trevas deste mundo em comparação da eternidade? Digo-te que o Céu se aproxima, digo-te para te animar e dar conforto e digo-te, porque é verdade. Não se compara o tempo que viveste, os sofrimentos que sofreste com o que te resta para viveres e para sofreres. O Céu espera-te, sorri-te, está para breve. Conforta-te com as palavras do teu Esposo e Jesus. O mesmo conforto quero dar ao teu Paizinho para que ele resista às suas agonias, às suas angústias e dores. Quero confortá-lo, para que não dê lugar ao demónio tentador. Diz-lhe que a sua vida fui Eu que lha escolhi; diz-lhe que o criei para as almas e que ele as encaminha e conduz como o Meu Divino Coração deseja. Diz-lhe que lhe quero e amo como as pupilas dos Meus olhos. Diz-lhe que fiz da vida, a vida de um outro Cristo. Diz-lhe que Me vejo a Mim nele e que é por isso que em tudo o assemelhei a Mim. Eu amo-o, Eu amo-o. Diz ao teu médico que lhe abro o Meu Divino Coração e o faço depositário de todo o Meu amor, de todas as Minhas graças para ele cooperar com elas e como bom agricultor semeie para Eu colher. A glória é Minha: Dou-lhe a luz do Espírito Santo para ele e para todos os que como ele cuidadosa e sinceramente trabalham naquilo que Me pertence e é Meu. Vem, Minha bendita Mãe, toma-a em teus braços, aceita-a, é nossa filhinha, conforta-a.
Jesus colocou-me nos braços da Mãezinha, que estava à minha direita. Ela abraçou-me e com o Seu Santíssimo rosto, unido ao meu, cobriu-me de carícias.
― Coragem, Minha filha, esposa querida do Meu Jesus. A tua vida é de imolação, mas também é de salvação. As almas salvam-se com o teu martírio; anima-te. Tu vences porque tens contigo a graça e a força do Senhor. Eu não te falto com o Meu auxílio e a Minha protecção. Leva as minhas graças, leva o Meu amor e carinho a todos os que te são queridos que também o são Meus e do Meu Jesus; estão presos os nossos Corações com os laços do mesmo amor.
Acrescentou Jesus:
― Vai, Minha filha, vai para a tua cruz; toda a tua vida é cruz, toda a Minha vida na terra o foi também. A nova redentora em tudo se assemelha ao Seu Redentor. Vai, leva paz e leva amor; vai, leva alegria para abraçares todos os sofrimentos. O Céu está alegre, rejubiloso. Coragem! Quanto mais Me possuíres, menos Me sentirás. Quanto mais Me amares, mais em ti desaparecerão os efeitos do Meu divino amor. Quanta mais luz de Mim receberes, mais escuridão, mais trevas te vão mergulhar. Quanto mais quiseres esclarecer, menos saberás exprimir-te. Quanto mais rica e unida a Mim estiveres, mais pobre e longe de Mim te encontrarás; tudo será noite, tudo será noite. Coragem, coragem!
― Ó Jesus, ó Mãezinha, muito obrigada pelo Vosso conforto, pelo Vosso carinho, pelo Vosso amor. Quero ir para a cruz e tenho medo; ela só tem espinhos. Ai que medo, ai que medo! Sede a minha força. Fazei que eu tudo aceite e tudo sofra, só por amor.
—*—*—
(Beata Alexandrina Maria da Costa: Sentimentos da alma, 1º de Março de 1947 - Primeiro sábado).

Sem comentários: