13 de julho de 2011

QUERO SALVAR AS ALMAS

Sentimentos da alma, escola de aprendizagem...

Minha filha, há nos teus sentimentos de alma tantos significados, tantas lições que Eu queria que aprendessem! São provas tão claras de em tudo te assemelhar a Mim. Tu na continuação da Minha obra resgatadora com a tua dor rompes os cárceres, as muralhas em que as almas estão presas pelo pecado. Como é poderoso o teu sofrer! Como é bela a tua missão! Meu Jesus, dizeis muito bem, se eu soubesse sofrer, com o Vosso poder, com a Vossa graça rompia tudo, tudo vencia. Mas, ai de mim, estou sempre caída; não sofro com perfeição! Esmagada com o peso de tantas humilhações e tanta dor, parece-me que quase ninguém me acredita. Mais uma vez me entrego a Vós, para ser vítima em Vossas divinas mãos. E não querias tu, Minha filha, sofrer tudo isto só para salvares uma só alma! E são tantas, tantas; são milhares e milhões que salvas. Se soubesses como Me amas e como Me fazes amado! Confia, acredita o Teu Jesus; e tens tanto quem te acredite! Eu farei que vejam em te as Minhas riquezas e maravilhas. Eu farei que aqueles, que te atormentam, venham a sentir em si horríveis remorsos.
― Meu Jesus, perdoai a todos. Eu não Vos digo que eles Vos amem como eu Vos amo, mas sim como desejo amar-Vos. Que todos se enlouqueçam por Vós, como eu queria enlouquecer-me. Jesus, meu Amor, quanto mais Vos digo mais queria dizer-Vos, mais ânsias tenho e amor, mais vazia me sinto, mais queria possuir-Vos. E não vos amo, não Vos amo, meu Jesus.
― Amas, amas, Minha louquinha. Não viste, quando, ontem, te conduzi ao Horto, aquela alma que subiu acima de todas as almas, entrou em Meu lado e foi beber ao Meu Divino Coração? Fui Eu que te quis mostrar; eras tu mesma. Não és igualada nem na dor, nem no amor. Salvas com a dor, salvas com o amor. Tens em ti o poder de Jesus.
― Quanto me custa isso, que me dizeis, só Vós o sabeis, Senhor. Eu não sou digna de tão grande prova de amor; eu não sou digna que tanto baixásseis até mim... Eu bem senti, meu Jesus, como se fosse eu mesma que subi e entrei, à frente de todas as almas, mas não o disse quando há pouco ditei os sentimentos d’alma. Que vergonha, que confusão; não pude dizê-lo! Como eu me sentia miserável!
― É assim mesmo, esposa querida, pequenina, escondida, como a violeta entre a sua folhagem. Quero-te pequenina, para mais brilhares entre a folhagem das minhas maravilhas. Quanto mais pequenina, mais poderosa. Minha filha, tenho tantas almas em perigo. O peso dos seus crimes levou ao fundo o prato da balança; se lhes não acodes, caem no inferno. Queres salvá-las com a tua dor?
Vi Jesus com a balança em Suas mãos divinas, um prato em baixo outro em cima, um com tudo outro com nada. Bradei logo:
― Jesus, temo os sofrimentos, mas quero-os. E o que virá ainda! Antecipai-me o valor do sofrimento, como por vezes me antecipais a dor; colocai-o já sobre a balança; sou a Vossa vítima, quero salvar as almas. O prato, que estava em cima, baixou logo abaixo.
― Pronto, pronto; heróica, heróica! Estão salvas, estão salvas. Que alegria para o Meu Coração de Pai! Como Médico Divino da tua alma, vou dar-te uma gota do Meu sangue divino para viveres, para dares vida, para resistires à dor. É rápida a operação.
Jesus abriu-me o peito, e, já com o d’Ele aberto, tomou-o Seu Coração divino sem tocar no meu, deixou cair a gota do Seu sangue. O fogo do meu coração aumentou; ele crescia, dilatava-se por todo o peito.
― Vai, esposa querida, vai para a tua cruz; leva este amor, leva este Sangue divino; é de resgate, é de salvação. Tu, a nova redentora das almas, possuis em tuas veias o Sangue do teu Redentor. Coragem! Leva a força, leva o amor do teu Senhor.
― Obrigada, obrigada, meu Jesus. Sinto-me queimada por Vós. Sede a minha força.
(Beata Alexandrina Maria da Costa: Sentimentos da alma, 28 de Fevereiro de 1947 - Sexta-feira)

Sem comentários: